A EFT não funciona

Depois de ouvir tantas maravilhas e relatos positivos, é lógico que esperamos que a EFT produza ótimos resultados em nós também.

E quando ela não funciona?

Você tentou fazer a EFT da maneira certa? Já leu o manual e seguiu suas instruções? Quando sim, o mandamento seguinte é sempre pedir persistência.

Como em todos os casos da vida, aprendemos com a prática e, muito mais, com os erros. Pode muito bem ser que você tenha dado ênfase a um aspecto errado. Como Gary Craig (o fundador da EFT) costuma dizer, “na EFT tentamos descobrir os aspectos abrindo suas portas. Se abrirmos uma porta que não dá em nada, é só fechar e abrir outra”. Não desanime, abra possibilidades para outros aspectos.

Ou na maioria das vezes, não se foi específico o bastante. Ao invés de abrir uma porta específica, talvez você esteja com uma idéia tão vaga sobre o caso que nem consegue enxergar a porta.

Um caso específico provavelmente vai estar apoiado por inúmeros aspectos. Lembra da analogia do tampo da mesa, que é o problema em si, enquanto os pés da mesa, que a seguram, são os diferentes aspectos? O ideal é ir ao fundo e tratar pé por pé, até que o tampo da mesa desmorone. Será possível derrubá-la sem ser específico, mas isso vai requerer muita persistência e paciência de sua parte.

E quando duvidamos que a EFT não funciona em certos casos é porque já não temos mais a paciência para sermos persistentes. Mas lógico que existem outros obstáculos para atrapalhar o tratamento com a EFT.

Um dos maiores é quando não sabemos nos entregar e nos deixar levar pela correnteza. Quando queremos nos livrar de um incômodo, naturalmente criamos uma certa resistência. Ficamos obcecados e ansiosos pelo bom resultado e isso não é natural.

Para a EFT funcionar, acredite nela ou não, é necessário um toque de desapego, de entrega a uma força maior que nossa razão e intelecto. Quando reconhecemos isso, então estamos abertos e prontos para que a EFT funcione.

Ajuda muito se tentamos aplicar a EFT olhando para um espelho, onde temos que nos encarar e começar a ser o observador apenas e não mais o controlador.

Também, tente reconstruir sua frase, tentando fazer com que ela seja a mais especifica possível. Diga a frase com força. Persistência e paciência nunca são demais.

Outra idéia é tentar aplicar a EFT em dois, com a ajuda alheia. Melhor ainda, com a assistência e direção de um terapeuta de EFT.

Mesmo assim, é possível que a EFT não demonstre resultados tão rápidos quanto o esperado. Nesses casos é bem possível que as energias estejam invertidas (polaridade invertida), criando o que se costuma chamar de Reversão Psicológica.

Eis aqui alguns exemplos de como as energias podem estar fluindo de maneira invertida em nosso corpo:

• Negativismo – pensamento ou comportamento negativo crônico.

• Campo de força elétrica – ficar perto de algum campo elétrico por muito tempo (aparelhos celulares, computadores, TVs, etc.)

• Drogas – legais ou ilegais, incluindo álcool e tabaco.

• Desidratação – água é um condutor de eletricidade. Se houver desidratação, pode haver interrupção no movimento da energia em seu corpo.

• Toxinas – podem ser substâncias (químicos, tinta, solventes, etc.), alergia (comida, perfume, poeira, pólen, etc.) e sensibilidade (poluição, barulho, luz)

Todos os casos são relativamente fáceis de serem tratados, especialmente se a causa for descoberta. Por exemplo, basta tomar mais água em caso de desidratação ou afastar-se de aparelhos elétricos. Também, faça a batida do caratê, mas desta vez com as duas mãos, um ponto batendo no outro. Não é necessário dizer nada, apenas bata as duas mãos com força por uns 20 segundos. Isso reequilibra os meridianos.

No caso de alguém que esteja tomando remédios (principalmente antidepressivos), é bem provável que qualquer resultado positivo após uma aplicação não perdure muito tempo. Nesse caso, pergunte a seu médico se é possível abaixar a medicação ou eliminá-la totalmente. Mas isso você só poderá fazer sob aconselhamento médico.

Outro ponto de resistência muito comum é o chamado Ganho Secundário. Talvez em seu subconsciente você esteja apegado à idéia de não resolver o problema. Um exemplo a respeito é alguém que quer parar de fumar, mas em seu subconsciente está claro que não quer, pois talvez o fumo o tranqüilize, o que talvez ele não queira que aconteça. Para esse caso, antes de se tratar a questão de parar de fumar em si, é necessário tratar o aspecto da ansiedade.

Uma maneira de reconhecer se há em nossos casos algum aspecto de Ganho Secundário, é perguntar a si mesmo o quê eu ganho mantendo esse problema? ou o que eu perco se resolver esse problema?

Comentários