A EFT como terapia holística

Muito se fala hoje em dia sobre as várias novas técnicas de terapia natural, todas dentro do que se chama terapia holística. Cada vez mais entende-se que há uma ligação, ou melhor, integração, entre corpo, mente e espírito, e que não se pode tratar nenhum deles em separado. Somos um ser integral, e devemos ser tratados assim.

Dentre as inúmeras variantes da terapia holística, está o que se vem chamando de medicina energética, ou até psicologia energética. Entende-se que a matéria nada mais é do que energia condensada e que, se buscarmos meios de cura através da energia, podemos mudar a matéria. Entre elas, houve o estudo da cinesiologia e da PNL, ou Programação neuro-linguística.

A EFT, ou Técnica de Libertação Emocional, é uma terapia que mexe com as energias dos meridianos. Ela trabalha no sistema energético chi, de acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, e usa certos pontos da acupuntura. Daí o nome acupuntura energética. Mas ao mesmo tempo, também, ela inclui o uso de frases (talking). E por isso, também, é chamada de acupuntura psicológica.

Não há dúvidas, e o número cada vez maior de testemunhos a favor comprovam, que terapias desse tipo (a EFT é a mais conhecida, entre tantas terapias de energias do meridiano) trazem uma notável melhoria em inúmeros casos.

Pode-se dizer que o responsável por esses resultados positivos é a própria conversa (talking), já bastante conhecida na psicanálise tradicional. Sem dúvida isso tem parte da verdade. Pode-se dizer, também, que o resultado se dá por causa das batidas nos pontos de acupuntura. E isso também tem parte da verdade. Mais ainda, a EFT facilita a conversa interna, quando ouvimos e aprendemos a interpretar as mensagens que recebemos do corpo. Isso, sem dúvida, também tem grande parte da verdade. É o conhecido caminho de ouvir o que seu coração fala, ou ouvir o corpo.

O uso da terapia da conversa (talk therapy) para problemas físicos é ainda bastante controverso. Mesmo que o mundo esteja cada vez mais aberto à idéia holística e ao conceito corpo-mente, estamos ainda muito presos à idéia da separação do corpo físico para com o mental ou espiritual. Idéia que começou no século 17 com Newton e Descartes, e que chamamos de dualismo cartesiano.

Uma nova era começou no século vinte, e principalmente a partir da década de sessenta, com o despertar no Ocidente das antigas tradições da China e da Índia e em menor grau de outras tradições indígenas do continente americano. Com ela a idéia espiritualista vencia as barreiras do conceito religioso e se integrava no conceito terreno.

Do lado científico, já na década de setenta, pesquisas conseguiram isolar os neurotransmissores, que atuam em grande parte no sistema imunológico. Isso foi rotulado como um segundo cérebro. Em outras palavras, o sistema imunológico, que nos protege das doenças, pode ser treinado a aprender e responder a sinais externos. Ou seja, o sistema nervoso também aprende e se lembra, como o cérebro.

A experiência mostrou que o sistema nervoso pode afetar o sistema imunológico e o sistema imunológico pode afetar o sistema nervoso. Podemos entender daí que o que chamamos de estresse causa muito estrago no corpo. Hoje em dia sabe-se que o cérebro, os hormônios e o sistema imunológico se comunicam um com o outro. Isso pode nos curar como também nos matar.

Existem mensagens que transmitem sentimentos positivos do cérebro ao sistema imunológico. E existem mensagens que transmitem sentimentos negativos. Essa é a ligação corpo-mente. Podemos aprender a como influenciar o sistema energético, fazendo com isso uma grande diferença em nossa vida e saúde. Com isso, podemos levar uma vida de amor e crescimento, ao invés de uma vida de medo, sempre se defendendo de doenças e outros fatores negativos.

Com o desenvolvimento das técnicas da psicologia energética dos últimos vinte anos, tais como a EFT, e a maior aceitação do sentindo de holismo na medicina, a separação entre corpo e mente tende a desaparecer cada vez mais. O corpo é capaz de se auto-curar, e a EFT é uma ótima ferramenta para ajudar nesse processo, assim como tantas outras terapias holísticas.

Comentários