A Ciência por Detrás da EFT

Desde o início de seu desenvolvimento, a EFT é considerada uma técnica em estágio experimental. Apesar de existir há mais de vinte anos, todas as experiências feitas para se comprovar a autenticidade da técnica foram feitas pelos próprios praticantes, o que inviabiliza um estudo mais crítico e aceito pela academia internacional.

Uma das razões para essa carência de estudos mais científicos é a pura falta de verba. A EFT sempre foi uma técnica muito aberta, sem grandes fins comerciais, ajudando a manter a falta de interesse em investimento de pesquisas na área. Somente nos últimos anos é que está havendo maiores pesquisas em relação à EFT.

E o que tem se descoberto atualmente? Primeiro, é interessante notar que até algumas décadas atrás não havia idéia clara em relação às energias do corpo. Foi apenas na década de setenta que a acupuntura e a Tradicional Medicina Chinesa ficaram mais conhecidas no Ocidente. Somente a partir de então começaram maiores estudos de como as energias funcionam dentro do corpo. Foi então que certos psicólogos começaram a fazer experimentos usando batidas em pontos da acupuntura.

Eles começaram a ver que, diferentemente da acupuntura tradicional, que trabalha apenas o campo físico, as batidas, juntamente com a exposição cognitiva do problema, ajuda a resolver traumas antigos. A idéia era que isso mexe com o sistema energético do corpo. É um fato inegável, aliás. Mas atualmente existem muito mais pesquisas e resultados aparecendo, principalmente no campo da genética e da psiconeurologia .

A idéia é que os nervos mudam à medida que mudamos nossas experiências. É um novo campo da biologia. Há poucas décadas, os livros de biologia diziam que os neurônios no cérebro ficavam estáticos após o término do crescimento. Agora se sabe que o cérebro muda e cresce rapidamente baseado em pensamentos, emoções e experiências espirituais: Isso era completamente desconhecido há pouco tempo. As experiências nesses últimos trinta anos mostram que nosso cérebro muda muito rápido, e que traumas e sentimentos na memória podem ser removidos rapidamente também. Nosso sistema nervoso responde muito rápido de acordo com nossa capacidade de absorver os novos sentimentos.

Também, os genes de estresse, que controlam a adrenalina, se tencionam e se fecham quando experimentamos um evento drástico. Por exemplo, se temos que frear rapidamente numa auto estrada, os genes da adrenalina levam frações de segundo para se fecharem e se tencionarem . Existem muitos estudos que dizem que as batidas nesses pontos liberam o estresse do cérebro.

Quando se usa as agulhas, no caso da acupuntura, ou se estimula os pontos, no caso da EFT, há imediatamente uma liberação da ansiedade na parte do cérebro. Com a EFT, o nível de cortisol abaixa enormemente. Em outras palavras, não é apenas o sistema energético. Temos que entender que todos os sistemas dentro do corpo funcionam juntos e em harmonia.

O sistema nervoso, quando responde a um ataque ou estresse, não teria resposta apenas no sistema nervoso, mas também nos hormônios e nos genes. Quando batemos nos pontos específicos da acupuntura, estamos enviando um sinal ao corpo de que podemos nos tranquilizar. Está em nossos genes e instinto que desde o começo da Humanidade temos que nos proteger dos perigos externos. Antigamente poderia ser o ataque de um animal selvagem, e hoje em dia pode ser o sentimento de proteção, que pode querer se defender de outros tipos de perigo.

Quando fazemos as batidas, mandamos um sinal ao sistema de que está tudo OK. E dizemos ao corpo que não existe perigo real. No entanto, quando nos lembramos de traumas antigos, reativamos esse instinto de defesa original, e nos bloqueamos, tentando nos proteger novamente. São sinais de instinto, mostrando-nos para ter medo, para estarmos prontos para sair correndo. Agora, quando adultos, podemos nos lembrar de traumas antigos e começar a aplicar a EFT.

Com isso, ocorrem diferentes sinais no cérebro dizendo que estamos a salvo. Isso causa uma ruptura da associação do trauma com o sentimento de defesa de sair correndo. Não se cria mais aquele sinal de estresse de perigo que faria com que entrássemos em alerta novamente. Ou seja, bater nos pontos da EFT desativa as condições de estresse que havia na memória.

A EFT não cura nada, ela nos ajuda a aliviar o estresse. Assim, aliviado, nosso corpo começa a funcionar bem novamente. Por isso a aplicação universal da EFT. A EFT serve para qualquer coisa. Parece uma panacéia, uma enganação. Como é que uma prática com um procedimento igual pode ser boa para qualquer coisa? Mas a resposta é simples. A EFT é de aplicação global porque quando a aplicamos, estamos dando a mesma mensagem para o corpo, que é a mensagem para reduzir a ansiedade.

A EFT reduz a ansiedade de qualquer natureza. Pode ser em sair-se bem em um jogo esportivo, falar em público, esmerar-se no trabalho ou tratar de dores localizadas ou traumas presentes ou passados. Ela apenas reduz a ansiedade, e nosso corpo responde muito rápido. Na verdade, todos os problemas se reduzem a estresse. É o ponto crucial em toda a questão de saúde.

Resultados de traumas não resolvidos de nossa infância estão intimamente relacionados depois de 50 anos à nossa vida. Isso pode causar câncer, doença de coração, diabete, suicídio, depressão, vícios e demais enfermidades.

Por isso, se não limpamos nossas experiências traumáticas da memória, estaremos sempre propensos a um trauma na ocorrência de um menor estresse. É aí que poderemos falar em cura.

Para maiores detalhes sobre pesquisa científica em relação à EFT, favor entrar nessa página AQUI (Pesquisas Científicas).

Comentários